Frank Jorge e Luciano Albo vão abrir o show de Paul McCartney em Porto Alegre. Confira entrevista exclusiva.

De um lado: Frank Jorge, uma das figuras mais importantes do rock nacional, quando o assunto é então o rock gaúcho, seu nome entra para o hall de lendas locais. Membro de bandas seminais em seu Estado, como por exemplo Os Cascavelletes e Graforréia Xilarmônica.

Fora isso, iniciou sua carreira como artista solo no começo dos anos 2000, lançando o disco “Carteira Nacional de Apaixonado”. O último disco de inéditas de Frank Jorge saiu em 2016,  “Escorrega mil vai três sobra sete” (180 Selo Fonográfico).

Do outro lado: Luciano Albo, persona importante e também ex-integrante do supergrupo Os Cascavelletes. O baixista que ficou com o lugar de Frank Jorge na banda, inclusive. Também gaúcho e também integrante do hall de lendas locais.

Fez parte das bandas Pura SangreSupervelhasFernando Noronha & Black Soul e desde 2007 integra o supergrupo Tenente Cascavel, projeto que uni músicos das bandas TNTOs Cascavelletes. Além disso, sua carreira solo conta com dois discos: “Dossiê Camaleão” (2002), “A Ordem Natural das Coisas” (2012).

O que os reuniu novamente: Paul McCartney  em apresentação única, ao vivo no estádio Beira-Rio.

Frank Jorge foi convidado para realizar o show de abertura do evento, ele então sabiamente resolve convidar Luciano Albo para dividir palco. Os dois prometem uma apresentação cheia de hits como “Amigo Punk” e “Sob um Céu de Blues” e, quem sabe, uma homenagem a Flavio Basso.

Conversamos com Frank Jorge e Luciano Albo, eles falam tudo sobre este evento.

Confira agora:

Paul McCartney. Foto: Mary McCartney.

Pacóvios – Há algumas semanas muitos fãs e amigos ficaram felizes ao receber a noticia de que você será o responsável por abrir o show de Paul McCartney em Porto Alegre. Como essa notícia chegou a você?

Frank: Com surpresa, espanto!!! Não é o tipo de coisa que fiquei alimentando, imaginando durante a vida. E fiquei bem impressionado com o carinho das pessoas diante do meu nome como show de abertura. Obviamente bateu logo o senso de responsabilidade: chamei o Luciano Albo para dividir o palco comigo diante da notícia que não seria possível uma apresentação com banda completa.

Pacóvios – Mas, e antes da concretização do show? Quando surgiu a conversa e como surgiu essa oportunidade?

Frank: Minha vida tem sido dedicada à música como compositor, professor, instrumentista, atuando também como “faz tudo” em inúmeras bandas em que atuei, leia-se, produção executiva, assessoria de imprensa, interação com produtores culturais. E daí, justamente, veio o convite do produtor cultural Lele para eu também enviar meus materiais e cogitar ser o show de abertura do Paul. O resto é isto que está ocorrendo… uma super interação com pessoas que me acompanham há bastante tempo seja pelas ruas, pelas redes sociais; e a emoção um pouco controlada para focar bastante nos ensaios.

Pacóvios – E nesse evento mais que histórico, você vai contar com o amigo e parceiro de anos, Luciano Albo. Dentre tantos músicos que fizeram parte de sua história na música, como foi escolher apenas o Luciano?

Frank: Luciano é um cara super musical, sempre pesquisando, estudando, gravando trilhas, sendo músico de apoio de bandas bacanas, compondo. Muito fã de Beatles como eu e atuou nos Cascavelletes quando eu saí. Eram razões de sobra para escolhê-lo.

Pacóvios – Vocês planejam uma espécie de homenagem aos ícones beatlemaníacos do rock gaúcho na apresentação?

Frank: Priorizaremos repertório bem autoral: canções minhas, minhas com outros colegas autores, assim como, canções só do Luciano e dele com outros autores.

Luciano: Quem sabe dedicar alguma canção ao Flávio Basso…

Pacóvios – Vocês pretendem tocar seus mais recentes trabalhos – “Escorrega mil vai três sobra sete” (2016/Selo 180) e “A Ordem Natural das Coisas” (2012) -? O que mais estão pensando para apresentar no setlist?

Frank: Do meu álbum mais recente escolhemos “O Viajante” que traz um diálogo com country e possibilita harmonizações vocais.

Luciano: Não incluímos nenhuma do meu cd de 2012. Focamos em mesclar as músicas mais conhecidas que ambos assinam. Da minha parte incluímos “A Milésima Canção de Amor”, gravada pelos Acústicos & Valvulados, “Sob um Céu de Blues”, dos Cascavelletes, além de “O que eu preciso”, música que gravamos juntos com a Tenente Cascavel em 2009 e “Abrir os olhos e sonhar”, single que lancei este ano. Tocaremos várias canções do trabalho solo do Frank, inclusive uma do mais recente álbum. Os hits “Eu”, Nunca Diga” e “Amigo Punk” também estarão presentes no set list.

Pacóvios – Finalmente, vamos imaginar que vocês estão cara a cara com Sir James Paul McCartney, qual seria a primeira frase que diriam?

Frank: Thank you! Thank you so much! Que tal um mate bem bagualudo?

Luciano: A) Would you like a cup of tea? B) Me belisca! C) Muito obrigado por tudo!!!

Ouça: Frank Jorge – “Escorrega Mil Vai Três Sobra Sete”