A carreira de Michael Jackson envolve muitas polêmicas, algumas delas (a maioria) sem pé nem cabeça, então que tal a gente deixar isso de lado um pouco pra poder falar da obra que esse ícone da música Pop construiu? Então vai, o Pacóvios doc de hoje vai dar uma pincelada nos grandes momentos da vida e da obra do Rei do Pop.

Gary, no Condado de Lake, Indiana, nos Estados Unidos, de acordo com o censo de 2000, dentre as cidades com mais de 100 mil habitantes, Gary é a que tem maior percentual de afro-americanos como residentes, foi lá que, em 29 de agosto de 1958, Michael nasceu. Atualmente a cidade aparenta estar abandonada com sua edificação sendo corroída aos poucos.

The Jackson 5 foi o inicio da carreira profissional de Michael, ao lado de seus tios e irmãos o grupo emplacou sucessos inesquecíveis como “I Want You Back”, “ABC”, “Stop The Love you Save” e “I’ll Be There”. A banda começou em 1964 (Michael tinha cerca de 8 anos quando virou vocalista principal do grupo) e terminou em 1984, nessa época Michael já estava em carreira solo.

A carreira do Rei do Pop não é dividida em meros lançamentos, é dividida em eras, durante a era “Off the Wall”, por exemplo, Michael misturava black music e disco.

“Thriller”, o disco mais vendido da história da música, ganhou o primeiro videoclipe com o custo a 1 milhão de dólares. “Thriller” foi também um marco na luta de igualdade racial, o o videoclipe de “Billie Jean” fez de Michael o primeiro artista negro a ter uma canção veiculada pela MTV.

A era “Bad” começou em agosto de 1987, o disco foi recebido pela mídia especializada como um trabalho muito ousado, constantemente comparado aos lançamentos anteriores de Jackson. O publico, porém, recebeu muitíssimo bem, “Bad” ficou por um bom tempo como o segundo disco mais vendido da história, o disco era mais Pop que os anteriores e conseguiu emplacar sucessos como “I Just Can’t Stop Loving You”, “Bad”, “The Way You Make Me Feel”, “Man in the Mirror” e “Dirty Diana”.

“Dangerous” foi a era que prevaleceu na vida de Michael Jackson entre 1991 e 1994, a canção “Black or White” ganhou um clipe com participação do ator, na época mirim, Macaulay Culkin, após um ano longe das paradas de sucesso era só esse hit, que ajudou e muito na luta pela igualdade racial, tocando nas rádios. 500 milhões de pessoas assistiram ao videoclipe simultaneamente, ele foi transmitido para 27 países.

Em 1995 teve inicio a era “HIStory”, um álbum duplo com trinta canções, no primeiro disco uma seleção de quinze sucessos remasterizados, no segundo a primeira coleção de músicas inéditas desde a era Dangerousm, de 1991. “HIStory – Past, Present and Future, Book I” é o disco duplo mais vendido de todos os tempos. O nome a semi-coletânea é na verdade um trocadilho “His” = “Ele” e “History” = “História”, assim o subtítulo: Past, Present and Future, Book I (em português: Passado, Presente e Futuro, Livro I).

Depois da era “HIStory” Michael só voltou a lançar material inédito 6 anos depois, em 2001. Começava ali a era “Invincible”, que, apesar da venda de mais de 15 milhões de cópias, foi considerado um grande fracasso comercial, principalmente quando comparado aos lançamentos anteriores do Rei do Pop. Nas canções “Unbreakable”, “You Rock My World”, “Break of Dawn” e “Threatened”, Jackson assume a execução rítmica, tocando todos os instrumentos musicais.

“Invincible” foi o último disco de Michael lançado com ele ainda em vida, os póstumos “Michael” (2010) e “Xscape” (2014) são discos que contem algumas preciosidades, as canções que formaram estes matérias foram gravadas no período de 1982 -2009, algumas participações especiais como Akon e Justin Timberlake ajudaram na divulgação do trabalho de Michael às novas gerações.

Michael Jackson sofreu uma parada cardíaca em sua casa, a noticia se espalhou rapidamente pelo mundo em 25 de junho de 2009, rádios, TVs e jornais mandaram seus representantes para a casa do cantor, fãs também se aglomeraram nas proximidades. Em pouco tempo foi confirmada a morte do nosso querido Rei do Pop. Estima-se que cerca de dois bilhões de pessoas assistiram ao funeral de Michael, já que emissoras de todas as partes do mundo estavam transmitindo o evento ao vivo.

Curiosidade: Elizabeth Taylor, uma das melhores amigas de Michael Jackson, foi a pessoa responsável pela expressão “Rei do Pop”, ao chamar o cantor para receber um prêmio no palco:  “Rei do Pop, Rock e Soul”. Dai em diante ele ficou conhecido assim mundialmente. Existe um vídeo desse momento, assista clicando aqui.