Ouvir música e ser curioso é a combinação perfeita, numa dessas conheci o Nei Lisboa e um disco com toque de classico. Saiba mais aqui no Pacóvios Doc.

Eu sempre fui um grande ouvinte do rock gaúcho, principalmente o que efervesceu em Porto Alegre no final dos anos 80. Nomes como TNT, Os Cascavelletes, DeFalla, Engenheiros, Garotos da Rua e o mito Júpiter Maçã, por exemplo, sempre estiveram bombando nos meus fones de ouvido e nas caixinhas de som. Mas certo dia, um questionamento veio a minha cabeça: Quais foram os artistas nacionais que inspiraram essa galera?

Sem precisar de muita pesquisa, encontrei um disco que tinha cara de clássico, tratava-se de “Pra Viajar no Cosmos Não Precisa Gasolina” comecei a ouvir e as experimentações e pirações do músico Nei Lisboa me responderam aquele questionamento de outrora.

Lançado em 1983, o disco foi produzido de maneira independente e impressiona pela qualidade de captação do áudio, as letras bem sacadas se unem a uma atmosfera jazz e ganham um ar de regionalismo com o lado cancioneiro de Nei Lisboa. As quebras de ritimo vão pro raggae, pro samba e tem cheiro de MPB, mas tudo acaba caindo num jazz gaudério.

Capa do disco “Pra Viajar no Cosmos Não Precisa Gasolina”.

Ainda em “Pra Viajar no Cosmos Não Precisa Gasolina” você vai encontrar uma apologia aos bons vícios “Me Chama de Robert” carrega uma das composições mais divertidas do disco, em “Síndrome de Abstinência”, essa bem com cara de música regional, fazendo referencia até mesmo ao Paraguai, a canção fala sobre a abstinência de uma certa erva, “Maria, Joana, todo mundo tinha” canta Nei.

Vasculhando a internet você vai encontrar poucas informações sobre o disco, mas quanto a Nei Lisboa, ele construiu uma carreira e hoje é um dos artistas gaúchos mais conceituados. Seus recentes trabalho fazem jus ao seu primeiro disco, mas o primeiro sempre será o primeiro, não é mesmo?

Faixas para você pirar o cabeção numa tarde ensolarada: “Dodoy Li” e “Não Me Pergunte a Hora”.

Ouça: Nei Lisboa – “Pra Viajar no Cosmos Não Precisa Gasolina”.

Pacóvios: Cultura independente de tudo.