Duo alagoano Figueroas levou a sua lambada quente cheia de energia e swing para o palco do Festival CRIA, na Casa das Caldeiras.

Uma das maiores riquezas que temos no Brasil é a diversidade cultural, mas será que nós sabemos explorar isso com sinceridade? A resposta eu prefiro não jogar, mas se você parar pra pensar que produzimos forró, axé, guitarrada, carimbo, lambada e muitíssimos outros estilos musicais, você compreenderá a resposta. O último gênero musical aqui citado vêm do norte deste país multi-diverso, bem como os integrantes do duo Figueroas.

Sucesso intercontinental nos anos oitenta, a lambada caiu no esquecimento com a chegada do axé, sertanejo universitário e funk carioca/ostentação. Mas a lambada nunca perdeu seu charme, ao menos é o que pensam Givly Simons e Dinho Zampier, o duo que surgiu em 2014 cantando, dançando e dando vida nova à lambada.

“Lambada Quente” (Läjä Records) saiu em 2015, com onze faixas certeiras a dupla saiu tocando por diversos cantos do Brasil, é fato que seu estilo diferenciado, do que as demais bandas fazem atualmente chama atenção, mas ao mesmo tempo pode causar um espanto e afastar potenciais dançarinos e dançarinas do ritmo caliente.

Em 2017 o Figueroas deixou Alagoas para gravar “Swing Veneno” (Laja Records e Deck Disc), disco que conta com 10 hits e saiu no começo de fevereiro, esquentando ainda mais o verão. Nas gravações os músicos Rafa Moraes (guitarra e baixo), Raphael Coelho (percussão), Natan Oliveira (metais) e Dieguito Reis (bateria) acompanham o duo.

Foto: Rodrigo Gianesi.

Já nas apresentações ao vivo Givly Simons e Dinho Zampier se garantem, no entanto no show que fizeram no domingo (24/09) contou com o reforço de um percussionista (não foi possível encontrar seu nome em buscas pela internet). O Show foi um verdadeiro baile, o público começo tímido e demorou até que começassem a arriscar os primeiros passos, quando o swing pegou, a Casa das Caldeiras ficou quente.

Givly Simons não parou de dançar, Dinho Zampier não parou de sorrir, o público entendia que aquele era um dos shows mais divertidos de um festival que contou com Raça, 2DE1, Mel Azul, Garotas Suecas e Marcia Novo. O CRIA é um festival organizado pelo selo/produtora Freak, acontece anualmente na Casa das Caldeiras e, este ano competiu com shows internacionais, venceu, a lambada ajudou.

Ouça e dance: Figueroas – Swing Veneno