Celebrando os 10 anos de sua carreira, Rafael Castro tocou com sua banda e convidou Pélico e Maurício Pereira para o espetáculo.

Você lembra o que estava fazendo há dez anos? Rafael Castro gosta de lembrar desse período nos anos 10, onde começou sua carreira na música, com muito saudosismo. Para ele, olhar para trás parece ser um exercício que lhe deixa ainda mais forte e profissional. Nesse tempo todo o nosso David Bowie passou por diversas mudanças, tanto de figurino, quanto de sonoridade.

Podemos dividir suas fases em três grandes momentos:

1- Rockeiro do MySpace: Já produzindo músicas divertidas, mas, com uma sonoridade bem “Rock Nacional”.

2 – Caipira Raiz: Uma fase que foi na verdade um disco, canções simples, na maior parte levadas pelo violão e muitos sentimentos.

3 – Brega, glitter e leggings: Período que surge após o lançamento de “Talvez” e se concretiza em “Um Chopp E Um Sundae” , seu último disco. O registro é cheio de sintetizadores, guitarras e é o mais dançante da discografia.

Todas essas facetas de Rafael Castro se encontraram em seu show dia 10/11, no palco do Unibes Cultural, em São Paulo. A apresentação começa de trás para frente tocando “Caetano Veloso” ele dá boas vindas a quem resolveu não ir ao show do Caetano e sim ao seu. Dando sequencia Rafael e sua banda tocas músicas de seus mais diversos discos no estilo “Rockeiro do MySpace” revisitado.

Pélico sobe ao palco para dar inicio a fase “Caipira Raiz” do show, juntos eles tocam só com voz e violão canções como “Fobia Aguda de Pessoas Que Batucam Mal”. Depois é chegada a vez de Maurício Pereira subir ao palco, dentre algumas boas músicas eles cantam juntos “Raiz”, numa versão bem fiel a original.

O show, que ganhou transmissão ao vivo, termina com a fase que resolvemos chamar de “Brega, glitter e leggings”, no bis todos os convidados voltam ao palco para cantar aquela que imagino ser o maior sucesso de todos os tempos na história de Rafael Castro, “Ciúme”.