Com 14 anos de idade, nosso querido Supla, já tocava por ai, na época ele atacava como baterista na banda Os impossíveis, mais tarde, na banda Tokyo, foi de baterista à vocalista, foi nessa época que começou a chamar a atenção da grande mídia. O carisma sempre foi algo muito forte na carreira de Supla, sexta-feira (08/07) no palco do Auditório Ibirapuera ele deu uma amostra disso.

As cortinas abriram-se e a banda – formada por Bruno Luiz (guitarra), Camila Lordy (teclados), Edgar Avian (bateria) e Henrique Baboom (baixo) – entrou em ação, o show começou com a faixa, recém-lançada, “Diga o Que Você Pensa”. O cenário utilizado como fundo do palco nessa abertura foi nada mais, nada menos, que o próprio Parque Ibirapuera, Supla surge e agita a plateia, a vista para o parque é fechada e a decoração com tema de pirada dá o tom para a execução de uma das canções mais clássicas do show, “O Charada Brasileiro”.

Um clássico dos Ramones, “Pet Sematary” também estava no setlist dessa comemoração, mas antes disso, em “Porque Eu Só Quero Comer Você”, o Papito é encoleirado e anda de quatro atrás de uma bela moça. Após esse momento ‘quente’, é chegada a hora de voltar à época da banda Tokyo com “Metralhar e Não Morer”.

O retorno ao primeiro disco solo da carreira de Supla foi com a faixa “Motocicleta Endiabrada”, para esta faixa mais uma bela moça surge no palco, o Papito por sua vez entra com sua motocicleta endiabrada, para ela no meio do palco e a moça bonita faz uma dança sensual enquanto a plateia vibra ao som desse clássico.

Supla

Foto: Cainan Willy.

Muitas boas surpresas ainda agradaram a noite, tudo parece ter dado certo, canções novas tiveram grande aceitamento do publico, os clássicos nem se fala. Em “Anarquia Lifestyle” canhões arremessaram fitas comemorativas na plateia, os convidados especiais Roger (Ultraje a Rigor), João Suplicy e Isa Salles ajudaram a deixar a comemoração dos 30 de carreira do Supla ainda mais especial.

No bis ainda rolou a gravação do videoclipe “Amigo” e algumas canções clássicas que marcaram a vida de Supla, tais como “Surfin Bird” e “Rain Drops Fall on My Head”, o show termina, as cortinas são fechadas e logo em seguida reabertas, com a banda toda abraçada, rola uma chuva de bexigas e de fundo o som “Parça da Erva”.

Em geral, o Supla mostrou aos 50 anos a mesma energia que deveria ter no palco a 30 anos atrás quando começava sua carreira profissional, a simpatia com o publico, a atenção aos detalhes faz com que cada uma de suas apresentações seja um evento único e inesquecível. Supla, nós nos vemos em todos os próximos 30 anos, combinado?

Obs: Óbvio que tocou “Green Hair” e “Garota de Berlin”, foram momentos igualmente incríveis, mas, optei por focar nas novidades que o Papito tem preparado, logo menos tem disco novo na área. 😉