Depois de tanto ouvir e criar memórias afetivas com o disco “Essa Noite Bateu com Um Sonho”, resolvi falar sobre esse trabalho da Terno Rei.

Demorou, mas eu resolvi que precisava escrever alguma coisa sobre esse disco que tanto me fez bem ano passado, ele foi o primeiro trabalho da Terno Rei que tomei de fato conhecimento e ouvi da cabo a rabo. Conversei inclusive com o Ale Sater, em uma entrevista que você pode conferir lá no nosso SoundCloud.

As memórias afetivas que tenho com esse disco são um tanto quanto curiosas, a primeira coisa que me vem à mente ao ouvir “Sinais”, faixa que abre o disco, é um carro com mais 4 amigos rumando ao Rio de Janeiro, para uma viagem de muito trabalho e também diversão. A segunda coisa que me permeia os pensamentos é uma volta da praia, dividindo fone de ouvindo com minha namorada e aquele sentimento triste de voltar pra vida real após alguns dias vivendo o paraíso.

O trabalho tem 12 faixas e você não vai se arrepender se optar por curtir esse disco como a trilha sonora para um momento bem especifico de sua vida. É claro que os momentos que citei geram uma memória afetiva muito grande, mas mesmo que você seja o tipo de pessoa que só sai de casa para ir a padaria comprar pão quentinho, quem sabe ouvir o “Essa Noite Bateu com Um Sonho” na volta seja uma experiência parecida com isso que vivi, a nostalgia é o grande lance do álbum.

Lançado pelo Balaclava Records em 2016, o segundo disco do quinteto foi gravado ao vivo e produzido por Guilherme Chiappetta. As letras tratam sobre relacionamentos afetivos, não só relações amorosas, mas também sobre amigos, família, sobre viagens astrais e também sobre o desconhecido. Tudo isso somado à sonoridade melancólica e ecoada dão singularidade e personalidade, tanto para a banda quanto para o disco.

Ouça: Terno Rei – “Essa Noite Bateu Com um Sonho”

Pacóvios: Cultura independente de tudo.