Icarus é destaque no Sexta Efervescente com seu EP “Homossexualidade e Video Games”.

A curiosidade e inquietude misturada a um pouco de tédio  tem lá seus benefícios, digo isso pois, quem cultiva esse habito (tão comum nos seres humanos), acaba sempre surpreendido. A graça da coisa está justamente nisso, uma hora você fica lá bancando o stalker e não encontra grandes coisas, outra hora vai abrindo links aleatórios e cai em algo que, de alguma maneira, lhe agrada ou agrega. Foi assim que conheci o Icarus e seu EP “Homossexualidade e Video Games”, lançado pelo selo Boiola Records.

Vindo do interior do Paraná, terra natal também do selo que o lançou, Icaro Gorri mora agora em São Paulo. Foi na capital, residindo agora no criativo bairro de Pinheiros, tendo como vizinhança nomes importantes da música nacional, não que isso importe para ele, que surgiu Icarus. A vontade de fazer música e a limitação de não saber tocar nenhum instrumento deu as mãos ao beats e assim foi criando seu projeto experimental.

Capa de “Homossexualidade e Videogames” por: Letícia Tomás.

Como bem explicita o nome do EP, o surgimento de seu conceito foi pensando, aceitando e entendendo a homossexualidade ao mesmo tempo que vivia no mundo dos vídeo games, não entendeu? “O vídeo game sempre foi uma desculpa boa pra ficar perto dos meninos que eu gostava”, Icarus explica.

Bom pra você escutar num dia brisado, bom pra você ouvir e ficar brisando e também bom pra te arranjar alguma brisa. O EP tem quatro faixas e o poder de transportar a sua imaginação para as histórias narradas com sutiliza pela doce voz de Icarus. Se a cada relacionamento/descoberta uma nova fase se inicia, como no videogame , as experiências causam lembranças inesquecíveis, a busca por identidade pode terminar com um belo “You Win”, mesmo assim tem a possibilidade de “Game Over”.

Passeando livremente entre o eletrônico, pop, noise e sem amarras ou limite nas experimentações. Icarus conseguiu um EP com um conceito foda, e toda sua singularidade o faz um dos melhores registros de 2017.