Em muitas histórias os X-men e o Magneto são inimigos mortais, onde um lado está os mutantes que querem viver em paz junto com as pessoas comuns e o outro lado quer que o mutantes sejam os donos da porra toda. Só que em X-men Deus ama, o homem mata eles deixarão de lado sua ideologias contrárias para juntar suas forças contra um adversário que os ameça e por um certo modo, ameaça o mundo todo também, um inimigo que ameaça os mutantes em nome de Deus.

Tudo começa com o pastor William Stryker propagando suas palavras contra os mutantes em seu programa de televisão, dizendo que eles eram criaturas do Diabo, diferente das pessoas comuns criadas por Deus, Stryker também lidera secretamente um grupo chamado Purificadores que tem como principal missão: eliminar os mutantes.

X-men Deus ama, o homem mata

Com isso o Professor Xavier participa de um debate transmitido na televisão com o pastor William Stryker, sendo uma armadilha para capturar e forjar a morte do professor, Ciclope e Tempestade que o acompanhavam na transmissão do debate, deixando então para Wolverine, Noturno, Kitty Pride e o aliado por ora Magneto tentarem acabar com os planos de Stryker e seus seguidores que estão dispostos a acabar com os mutantes mesmo que seja da forma mais sangrenta.

Deus ama, o homem mata

Lançado nos EUA em 1982 e no Brasil em 1988 – X-men Deus ama, o homem mata tem como roteirista Chris Claremont que começou a escrever as histórias dos X-men com apenas 16 anos no período de 1976 à 1991 (falei de outra HQ escrita por ele aqui) e se tornando então referência para as histórias dos mutantes e também é conhecido por criar personagens femininas poderosas. Brent Anderson fez uma belo trabalho com uma arte clássica de qualidade, pode parecer feio para quem está acostumado com artes dos quadrinhos mais modernos mas isso aqui meus amigos é arte clássica da boa. Cores por Steve Oliff que ganhou nada mais nada menos do que 3 prêmios Eisner na categoria de melhor colorista.


X-men Deus ama, o homem mata

Deus Ama, O Homem Mata

É uma história rápida e boa de se ler, sendo uma das mais poderosas e influentes de Chris Claremont, que retrata o fanatismo e o preconceito de grupos extremistas e que serviu como referência para o filme X-men 2 lançado nos cinemas em 2003. A HQ foi relançado recentemente pela Panini em versão de luxo com 104 páginas com um preço acessível de R$ 22,90 e que também contém entrevistas, prefácio escrito por Chris Claremont e outras coisas.

Encontrei somente na Livraria Saraiva para compra.